Mãos à Escrita
Jornal do Agrupamento Professor João de Meira
Pesquisa

ENTREGA DE DIPLOMAS DOS EXAMES DELF 2014
Por Manuela Ribeiro (Professora), em 2015/02/20503 leram | 0 comentários | 142 gostam
Procedeu-se à cerimónia de entrega dos diplomas dos exames DELF, referentes ao ano letivo de 2013/2014, no passado dia 21 de janeiro, na escola E.B. 2, 3 João de Meira.
No passado dia 21 de janeiro foram entregues os diplomas correspondentes aos exames DELF do ano letivo de 2013/2014. Este é já o quarto ano em que sucede esta entrega, depois de ter sido estabelecida uma colaboração entre a nossa escola e a Aliança Francesa, instituição que desde há muitos anos representa no nosso país um elo com o ensino da língua francesa a vários níveis e que
conta com delegações de norte a sul.
Estes exames visam promover junto dos interessados um nível de conhecimentos adequado ao quadro comum de referência europeu para o ensino das línguas estrangeiras que estabelece vários níveis de certificação adequados aos objetivos e competências de cada formando. O nível mais comum equivalente ao aluno do ensino básico é o designado por A2, mas, com alguma aplicação suplementar, o aluno poderá almejar ao nível B1, como sucedeu com três afortunados alunos da nossa escola relativamente a esta última entrega de diplomas.
A obtenção deste documento permite ainda um ingresso facilitado em instituições de ensino em França e noutros países, em cursos onde seja requerido um nível razoável de conhecimentos em francês. Permite ainda integrar o conjunto de habilitações presentes num currículo a apresentar a uma entidade patronal em Portugal ou num país estrangeiro em empregos onde o conhecimento da língua francesa possa ser requerido.
À entrega de diplomas propriamente dita sucedeu-se um momento de convívio entre professores, encarregados de educação e alunos que compareceram, onde destacamos, para além de alguns alunos desta escola que, entretanto, já transitaram para o ensino secundário nalguns casos, a presença da Escola E.B.2,3/Secundária de Celorico de Basto cujos alunos têm acorrido em número muito significativo, tanto na época de realização dos exames, como à receção destes diplomas. Também estiveram presentes alunos e professores de outras escolas do concelho que aqui realizaram exame em maio passado, ao ser esta uma das escolas de certificação do mesmo.
A organização deste evento esteve a cargo do subdepartamento de Francês desta escola. Em representação da Aliança Francesa compareceu o seu diretor para a zona de Guimarães/Braga, Dr. António Santos.
O subdepartamento de Francês agradece a dedicada colaboração de alguns elementos do pessoal auxiliar, no sentido de preparar adequadamente as instalações onde tudo se realizou, bem como a presença da aluna Mafalda Costa, do 9º G, turma do ensino articulado, que enriqueceu o evento com a execução de uma peça musical para violino.
Para além deste evento e da promoção que se fará junto das turmas de Francês para a temporada de exames DELF 2015, a decorrer em maio próximo, a colaboração com a Aliança Francesa já se iniciou este ano letivo, no período passado, com o comparecimento ao Festival de Cinema Francês, representado na nossa cidade através da Aliança, tendo algumas turmas da nossa escola assistido a um dos filmes exibidos no Centro Cultural Vila-Flor intitulado "O Caminho da Escola", de Pascal Plisson.
Uma dessas turmas, o 7º A, elaborou uma singela composição coletiva sobre o tema dos direitos humanos de que tratava o filme, a qual se divulga a seguir.
Em todas as partes do mundo existem escolas e crianças que gostariam de as frequentar, embora existam, por vezes, muitas dificuldades nesse sentido. Dito isto, no filme "O Caminho Para a Escola", são identificadas quatro situações de crianças com poucas possibilidades económicas. Mesmo que a custo, portanto, elas esforçam-se por chegar diariamente à escola. Sendo assim, tendo em conta os perigos por que passam todos os dias no caminho que fazem, é impressionante ver como conseguem chegar ao seu destino sãs e salvas.
A seguir, descrevemos sucintamente a rotina de uma dessas situações que aparecem no dito filme em diferentes regiões do globo, cujo tipo de vida é semelhante nas suas dificuldades recompensas. É o caso de duas crianças do Quénia, no coração de África, onde existem dificuldades naturais, como animais selvagens e de grande porte que a todo o momento as podem atacar, mas elas conseguem-nos contornar e fazer um caminho tortuoso pela savana. Além da sua valentia e força de vontade, são crianças com muita humildade que obedecem aos pais e são tementes aos perigos. Nesse aspeto, até poderemos dizer que elas levam vantagem em relação às do nosso contexto, pois muitas daqui já há muito que deixaram de ter uma determinada humildade aconselhável para a idade, acabando por ser muito mais caprichosas do que deviam, perdendo algum do seu encanto natural. As crianças do filme são um exemplo a seguir, nesse ponto. Nós é que podemos e devemos aprender com elas, supomos.
A grande moralidade deste filme, que não pretende ser minimamente intrusivo ou acusador perante os mais favorecidos, mas apenas um retrato pintado com carinho sobre as realidades que retrata, é que antes de nos queixarmos das ótimas condições que temos em comparação com essas crianças carenciadas, deveríamos refletir no facto de elas, apesar das suas limitações, acalentarem grandes sonhos, como o de ser um aviador, uma médica, uma professora, um veterinário e muitos outros que, para serem cumpridos, dependem de grandes esforços físicos e financeiros delas e dos progenitores, ao longo do seu crescimento, mas nunca se deve desistir de os alcançar. Nós, por cá, também podemos ter as nossas dificuldades, mas é tudo significativamente mais fácil no nosso meio, ao que, afinal, pudemos comprovar.
Aproveitamos para relembrar o horário do Clube de Francês, no qual ainda estás sempre a tempo de te inscrever, se quiseres. Funciona na sala 24, às quartas-feiras, das 14:15 às 15:00 e às quintas-feiras, das 14:15 às 15:45.

Prof. Emanuel

Mais Imagens:

Comentários

Escreva o seu Comentário