Mãos à Escrita
Jornal do Agrupamento Professor João de Meira
Pesquisa

BUCHAS E ESTICAS
Por Manuela Ribeiro (Professora), em 2014/05/21339 leram | 0 comentários | 126 gostam
Este poema foi elaborado pelo aluno José Afonso Silva, do 5º ano, turma E.
BUCHAS E ESTICAS

Buchas são magros muito gordos
Esticas são gordos muito magros
Os Buchas diferem dos Esticas
Os dois são muito engraçados

Era uma vez um Bucha tão gordo, tão gordo
Que não cabia – Sabem em quê? – Na sua banheira!
Tomava banho em pé e não conseguia nadar
Mas o Estica também tinha a sua canseira
Era tão magro, tão magro, que a água não o conseguia molhar

Os dois formavam um engraçado par
Era ver os dois a fazer o povo sorrir…
Dois assimétricos a gesticular e cantarolar
E as crianças a não parar de rir…

Mas havia umas crianças que não achavam graça
Eram uns Buchas e Esticas pequenos na multidão
Uns poucos no meio de tanta gente…
Rabugentos e descontentes com a sua condição
E esses, ao invés de dizerem sim, dizem não

O Bucha e o Estica deles próprios troçavam
Então a sua teoria nunca irá falhar…
Quem se aceita como diferente par
Mais facilmente os outros consegue aturar

José Afonso Silva, 5º E


Comentários

Escreva o seu Comentário