Mãos à Escrita
Jornal do Agrupamento Professor João de Meira
Pesquisa

Visita à Sociedade Martins Sarmento
Por Manuela Ribeiro (Professora), em 2013/10/20586 leram | 0 comentários | 163 gostam
Este trabalho foi elaborado pela aluna Margarida Oliveira, do 5º ano, turma F.
Visita à Sociedade Martins Sarmento, no âmbito da comemoração do centenário da morte de João de Meira

Na visita à Sociedade Martins Sarmento, aprendi várias coisas sobre a vida e a obra do patrono da minha escola – João de Meira.
Nasceu em 1881, na rua D. João I, na casa que era a sede do Vitória de Guimarães, e morreu em 1913, com 32 anos, com a doença designada outrora por «Mal de Bright» e nos nossos dias por «Insuficiência Renal Crónica».
João de Meira tinha seis irmãos. Foi médico, Presidente da Câmara, presidente da Sociedade Martins Sarmento e da Escola Industrial. O seu pai chamava-se Joaquim José de Meira. Este era, também, médico-cirúrgico.
Com 9 anos, João de Meira foi para a escola de São Dâmaso, no Convento de Santa Marinha da Costa, onde obteve vários prémios de distinção.
Com 15 anos, foi para a Escola Médico-Cirúrgica do Porto, onde terminou o curso com 25 anos de idade.
Em 1907, casou. Foi médico no Hospital da Ordem Terceira de São Domingos, em Guimarães.
Foi também professor de francês e de matemática, no Liceu de Guimarães. Em 1908, foi dar aulas para a Escola Médico-Cirúrgica.
Com 17 anos, criou o jornal “A Parvónia”, onde publicou muitos artigos e notícias. Assinava os seus trabalhos usando diversos pseudónimos: «Satan», «Lusbel», «Demónio», «Proserpina», «Nulo» e «Estélio».
Em 1911, com 30 anos, foi escolhido para lecionar a disciplina de Medicina Legal e ser coordenador da morgue do Porto.
João de Meira escreveu artigos muito importantes para a história de Guimarães.
Escreveu contos e dois romances policiais, como “O Sherlock Holmes no Porto", ao estilo de Conan Doyle. Foi pioneiro neste tipo de escrita em Portugal.
O seu túmulo encontra-se na capela da Senhora do Bom Despacho. Nele existe uma pedra tumular com um poema dedicado à senhora do Bom Despacho, da autoria do próprio.
Em sua homenagem, a cidade de Guimarães tem uma escola (a que eu frequento) e uma rua com o nome João de Meira.
Nesta exposição vi, ainda, um livro muito bonito de caricaturas feitas pelo irmão, José de Meira, e poemas escritos por João de Meira.
      
Margarida Oliveira, 5º F



Comentários

Escreva o seu Comentário